SERVIÇOS

Desinsetização

Consiste nos serviços e processos químicos empregados no controle de insetos, como baratas, formigas, pulgas, carrapatos, traças, aranhas, escorpiões, moscas e mosquitos em áreas onde são inconvenientes, pois podem ser vetores de doenças. Nos estabelecimentos coletivos em que há qualquer forma de manipulação de alimentos, esses serviços são necessários por determinação de Legislação Federal e Municipal.

O tratamento tem como objetivo principal a redução do nível de infestação da praga, a quebra do ciclo reprodutivo e promover uma barreira química visando impedir reinfestações. A metodologia agrega os mais avançados procedimentos e, é baseada na filosofia internacional do MIP (Manejo Integrado de Pragas) que propõe técnicas de aplicação mais metódicas do que o tradicional Controle Químico, o que proporciona ao cliente maior segurança, higiene, limpeza, rapidez e comodidade sem criar impacto ambiental.

Desratização

O serviço de desratização consiste em procedimentos que visam o controle de roedores indesejáveis, considerados pragas que infestam áreas urbanas: Mus musculus (Camundongo), Ratus rattus (Rato Preto, Rato de Telhado ou de Forro) e Rattus novergicus (Ratazana ou Rato de Esgoto),
Para o controle destas espécies podem ser utilizados raticidas nas formulações: Bloco Parafinado, Isca Granulada, Isca Peletizada ou Pó de Contato, dependendo da área a ser tratada.

O tratamento também tem como objetivo a implementação de barreiras físicas e armadilhas, sendo que tais medidas são complementadas pelo Controle Químico.

Por este motivo, é realizado o mapeamento de pontos críticos, para manter-se o controle de roedores sem utilizar uma quantidade abusiva de rodenticidas.

Descupinização

Uma das grandes especialidades da DELTA é o controle de cupins, seja o cupim subterrâneo ou cupim de madeira seca. Realizar o tratamento de cupins exige equipamentos sofisticados, além de profissionais altamente especializados, capazes de oferecer um serviço técnico que efetivamente resolva o problema da infestação. No caso de cupins subterrâneos, o controle é iniciado com o tratamento de todo madeiramento em contato com a alvenaria, a seguir fazemos uma barreira química ao redor do imóvel, depois efetuamos o tratamento de espaços vazios e finalmente realizamos o tratamento da rede elétrica. Cupins geram enormes prejuízos e seu controle deve ser realizado com muita responsabilidade e eficiência.

Limpeza de caixas d´água

Os serviços de Limpeza de caixas e reservatórios de água têm a finalidade principal de manter o nível de higienização e potabilidade da água armazenada, garantindo a saúde e o bem-estar de todos os usuários.

Sugerimos que este tipo de serviço seja realizado no mínimo duas vezes ao ano, ou seja, de 6 em 6 meses, visando à eliminação ou redução dos riscos advindos de microorganismos capazes de resistir a longos períodos em extremas condições.

Desentupimento
Uma tubulação hidráulica pode, eventualmente, entupir por diversos motivos, como falta de manutenção, efeitos do tempo, vazamentos e infiltrações. Mas, o mais comum é pelo descarte incorreto de materiais, que causam inúmeros transtornos.

Pensando em acabar com esses transtornos a DELTA disponibiliza o serviço de desentupimento para:

  • Redes de esgoto;
  • Ralos e calhas;
  • Pias e tanques;
  • Vaso sanitário;
  • Redes de Águas Pluviais;

A aplicação do serviço pode ser residencial, comercial ou industrial, sempre com profissionais capacitados e variados equipamentos (Alta pressão, máquinas de molas ou máquinas manuais) para solucionar quaisquer tipos de entupimento e diminuir os riscos de danos às áreas afetadas.
Pombos são vetores de cerca de 60 doenças, dentre elas gripes, conjuntivites, toxoplasmose, salmoneloses, psitacoses (doença infecciosa que atinge primeiramente os pulmões e osteiormentebaço e fígado), criptococose (doença causada por fungos que se desenvolvem em fezes secas, que infecciona os pulmões), coceiras (provocadas pelos piolhos e ácaros que ficam entre suas penas) e dermatites. Também podem causar entupimentos de sistemas de drenagem de ninhos com acúmulo de penas e fezes, instalação de ninhos em sistemas de ar condicionado, bloqueio de calhas de telhado e infiltração no forro, alteração de sistemas de comunicação quando existe acúmulo de fezes em torres de transmissão. Em sua urina e fezes, há uma grande concentração de ácido úrico que corroem monumentos de pedra e bronze, destroem pinturas e rebocos de construções, danificam estruturas de concreto e pinturas de automóveis, ou seja, podem provocar sérios danos.

Controle de pombos

Métodos de controle DELTA

Como o ciclo reprodutivo dos pombos é regulado pela oferta de alimento, diminuir essa oferta é a principal medida a se tomar, conscientizando as pessoas dos problemas e esclarecendo sobre os riscos e danos que tal hábito pode provocar.

  • Analisar os pontos críticos das edificações, ou seja, onde os pombos estão pousando para que o trabalho (Barreira física) seja eficaz;
  • Inclinar os parapeitos das janelas, pois os pombos não gostam de pousar em superfícies inclinadas e, caso não seja possível, esticar fios de nylon e/ou telas para que eles não pousem no local;
  • Vedação de vãos e pontos de entrada com telas ou alvenaria;
  • Limpeza técnica com a remoção de ninhos;
  • Aplicação de gel repelente em locais de pouso e/ou habitat;
  • Utilização de acessórios desestabilizantes de pouso como linhas, espículas, molas ou cabeamento.

Controle de morcegos

Dentre os mamíferos considerados pragas, estão os morcegos, animais pertencentes à Ordem Chiroptera e únicos representantes dessa Classe que possuem a capacidade de vôo devido a transformação de seus “braços” em asas.

O controle de morcegos é importante para diminuir o índice de casos de raiva.

Existem atualmente quase 1.000 espécies de morcegos, cerca de um quarto da fauna de mamíferos do mundo. Só no Brasil são conhecidas 147 espécies. A alimentação varia conforme a espécie, assim, existem os que se alimentam de insetos (insetívoros), de néctar de flores (nectívoros), de frutos (frugívoros), de sangue (hematófagos), entre outros. De maneira geral, esses animais ficam abrigados durante o dia em cavernas, ocos de árvores, edificações, porões, sótãos, forros, folhagens entre outros. Apesar de enorme contribuição ao ecossistema, agindo como polinizadores, reguladores da população de insetos noturnos, dispersores de sementes de várias espécies vegetais, em algumas situações o desequilíbrio da população dos morcegos prejudicam a saúde pública e a pecuária.

Riscos à saúde humana: todos os morcegos, independente do seu hábito alimentar, podem morder se forem manipulados de maneira incorreta ou quando perturbados. Caso estejam contaminado com o vírus, podem transmitir a raiva, doença fatal na ausência de tratamento. Portanto, deve-se evitar o contato direto com esses animais. Além do animal em si, suas fezes podem, quando acumuladas nos abrigos, abrigar vários agentes patogênicos, como bactérias, fungos e vírus. No caso dos fungos, infecções respiratórias (histoplasmose) são comuns.

Métodos de controle DELTA

  • Analisar os pontos críticos das edificações, ou seja, onde os morcegos estão se alojando para que o trabalho (Barreira física) seja eficaz;
  • Limpeza técnica com a remoção das fezes;
  • Vedação de vãos e pontos de entrada com telas, passarinheiras ou alvenaria;
  • Aplicação de gel repelente em locais estratégicos.